segunda-feira, agosto 10, 2009

José II

sei lá se ele se tornou um ícone, uma referência abstrata à qual minha mente recorre sem que mandem, mas José já me é constante de quando em quando. depois de uma aula de escola dominical que me fez pensar o quanto a Palavra de Deus é inesgotável, eu fico pensando que há muitas perspectivas quando analisamos a vida de alguém. mas pra ir direto ao ponto, um insight mais recente que eu creio que Deus me deu sobre José é o fato de que, para ele, estar no centro da vontade de Deus significava sofrimento.
reafirmando, o fato de ele ser escravo ou preso não significava nem um pouquinho para Deus que a vida de José tinha saído para "fora dos trilhos", muito pelo contrário, isso queria dizer que José estava no caminho certo. Talvez para qualquer um que olhasse para ele, poderia pensar "o cara se deu mal". Talvez qualquer um pensasse a mesma coisa no lugar de José, como "os meus sonhos não deram em nada". Não foi assim que José via as coisas, muito menos Deus.
enquanto pensava nessas coisas, lembrei daquela expressão "estar no centro da vontade de Deus". Comumente, achamos que o centro da vontade de Deus é o lugar mais confortável que existe, mas pode não ser. O centro da vontade de Deus pode trazer dor, pode me fazer ser moldado, pode me lançar numa bateria de treinamentos de arrancar os cabelos.
mas a notícia boa é que isso não dura pra sempre, somos aprovados e herdamos as bençãos e promessas que nos foram reveladas anteriormente nos sonhos. q a imagem de um José governador, o primeiro depois de Faraó em toda a terra do Egito, alguém muito abençoado, possa te fazer lembrar que a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável, mas que Ele tem lá seus métodos incomuns de se fazer entender.

2 comentários:

Éverton Vidal disse...

o fato de ele ser escravo ou preso não significava nem um pouquinho para Deus que a vida de José tinha saído para "fora dos trilhos", muito pelo contrário, isso queria dizer que José estava no caminho certo.

Eu quero essa consciência de José. Eu sei que devo agiar/pensar/crer assim, mas às vezes quando as coisas estao ruins eu vacilo rs. E só lembro do "homens de pouca fe" do Cristo.

Adorei a Reflexao.
Bj!

Tati Rodrigues disse...

'Ele tem lá seus métodos incomuns de se fazer entender'... de fato foi muito bom decidir passar por aqui hoje... as palavras foram Rhema na minha vida...

bjs